NOTÍCIAS

Depoimento de Hortencia Batista, integrante de Mulheres de Peito

"O câncer para mim, não é sinônimo de morte de maneira nenhuma; ele veio na minha vida para me ajudar a sobreviver, para mudar algumas maneiras que eu tinha e para me ensinar a fazer melhor hoje." - (Trecho do depoimento de Hortencia Batista)

“Meu nome é Hortência, eu tenho 45 anos, há 8 anos atrás eu tive câncer mamário. Fiquei boa há 3 anos, passei por tratamento de mastectomia, quimioterapia (quase morro na 4ª quimioterapia, mas estou aqui porque Deus é pai), também fiz radioterapia que durou 2 meses, devido a origem da queimadura na mama esquerda. Atualmente, eu tenho metástase óssea, mas convivo bem com ela. Apesar das medicações e as rádios que estavam quebrando, eu tenho minha autoestima maior, pois diante aos nossos obstáculos, a gente se ajoelha e chama por Deus, porque ele é nossa maior cura e o nosso maior remédio. Claro que temos que ter os procedimentos médicos (sem dúvidas), mas quando temos a fé e buscamos esta fé sempre conseguimos. E hoje, faço o tratamento com tamoxifeno e também faço tratamento com homeopatia. O médico havia me dado 4 meses de vida, mas estou com 3 anos de metástase óssea. Sinto minhas dores, por causa da frieza; nesses momentos fico em casa, fico com a minha dor e com Deus, mas quando eu melhoro, coloco meu batom e meu salto e saio de casa.
Não existe coisa melhor do que viver, pois depois que passamos por uma tempestade dessas nos vem a alegria de encontrar os amigos, de sermos aceitos nas associações, de termos uma boa conversa. O câncer para mim, não é sinônimo de morte de maneira nenhuma; ele veio na minha vida para me ajudar a sobreviver, para mudar algumas maneiras que eu tinha e para me ensinar a fazer melhor hoje; então, é isso que eu tento fazer, me sinto melhor com minha família, com meus amigos, com meus vizinhos que também são maravilhosos. E graças a Deus, tudo está dando certo.
Sou mãe solteira, já sou avó, tenho 2 filhas que já são formadas. Sou técnica de enfermagem, tive um tratamento árduo por ter sido Deus e eu mesma nesta luta. Na minha família, quase todos tiveram câncer, então ele não é considerado uma doença de outro mundo, é uma doença moderna. Nós não mergulhamos em choro, lá em casa não tem isso; e, isso até torna-se bom, pois assim o câncer não é tão impactante para mim, eu levo o câncer como uma doença qualquer, é tanto que eu levo o câncer há 3 anos; eu abri mão da quimioterapia e fiz a radio, mas optei por fazer um tratamento homeopático que deu certo na minha vida. O que eu quero dizer as pessoas é que: mesmo que vocês venham a serem acometidos pela doença, levante a cabeça, olhe para frente e busque um melhor tratamento. O melhor tratamento é amor, carinho dos amigos, o melhor tratamento é você estar bem consigo mesma; é você pode dizer, eu posso e vou conseguir.
Então, minha vida é cheia de altos e baixos, choros e alegrias, mas vou lhes dizer uma coisa: Enquanto este sopro de Deus estiver dentro de mim, enquanto ele ficar em mim, eu vou vivendo. Graças a deus, vou seguindo bem. 
O melhor disso é que hoje eu estou buscando outras alternativas de vida, estou aprendendo a costurar, bordar, a fazer essas coisas aqui juntamente com as meninas da Associação Mulheres de Peito; além de cozinhar, aqui elas possuem uma mão cheia e vão me ajudando a fazer as coisas. Tanto nas almofadas que elas fazem, e, estou aprendendo isso hoje; me arrependo que minha mãe me mandava fazer isso, mas eu nunca fiz. Mas hoje estou aprendendo a costurar, e estou voltando para a minha faculdade com fé em Deus; passando no ENEM, voltou a cursar, eu estou com saúde, apesar da minha metástase, mas eu estou bem, estou andando, enxergando e agradecendo a Deus todos os dias por estas graças. Agradecer por toda essa beleza que ele nos proporciona. E essa metástase não vai me afetar, ela é lombar (na coluna)."

Segunda, 14 de Agosto de 2017